27.1.13







Sobre o envelhecer...

A idade vai chegando e passando
Nao vivo todos os dias no carpe diem
Talvez mais velha aprenda a ter sonhos menores
e de facil realizacao ou tenha sonhos maiores
mas sem a intencao de realiza-los
sabendo da grandeza que e so o ato de sonhar
Ja nao me vislumbro com as linguagens intelectuais
dificeis mas por algumas vezes vazias
Prefiro a linguagem simples
mas que te levem a pensamentos e vivencias
surpreendentes.

"A casa é de onde se começa. À medida que envelhecemos
O mundo fica mais estranho, o padrão mais complicado
De mortos e de vivos. Não o momento intenso
Isolado, sem antes nem depois,
Mas uma vida inteira a arder em cada momento
E não a vida inteira de apenas um homem
Mas de velhas pedras que não podem ser decifradas.
Há um tempo para o anoitecer sob a luz das estrelas,
Um tempo para o anoitecer sob a luz do candeeiro
(A noite com o álbum das fotografias).
O amor é mais aproximadamente ele próprio
Quando o aqui e o agora deixam de importar.
Os homens quando velhos deviam ser exploradores
Aqui ou acolá não importa
Temos de estar quietos e quietos mover-nos
Para uma outra intensidade
Para uma ulterior união, um comungar mais fundo
Através do frio escuro e da desolação vazia,
O grito da onda, o grito do vento, as vastas águas
Da procelária e do golfinho. No meu fim está o meu começo."




(T.S Eliot)