3.12.09



FUGA
Amaro Vaz

Cansei de amar um amor enlouquecido
Amor que faz besteiras e faz badernas.
Que ora fala mal, ora diz coisas ternas
Que é um santo, às vezes é bandido.

Cansei de ser amigo, ser o adversário
De estar no céu, logo depois na lama.
De ser, apenas, mais um em tua cama
Cansei de ser real, de ser imaginário.

Cansei de ser o causador das brigas
Cansei de ser remédio pras tuas feridas
Cansei de ser ora imbecil e ora culto.

Ao me cansar de tudo, eu simplesmente
Quero dizer-te amor, que infelizmente
Eu “fui”, sem deixar rastro ou vulto.